Artigos Recentes

ENCONTRO NACIONAL DE TÉCNICOS REÚNE MAIS DE 19 ENTIDADES E FEDERAÇÃO EM FORTALEZA

O evento foi realizado com o apoio do Sindicato dos Servidores da Justiça Eleitoral do Ceará (Sinje), do Sindicato dos Servidores da Sétima Região da Justiça do Trabalho (Sindissétima) e da Associação Nacional dos Técnicos do Poder Judiciário da União (Anatecjus)

Foto oficial com o humorista cearense Lailtinho, também técnico judiciário.

No último sábado (29), o Sindicato dos Trabalhadores da Justiça Federal no Ceará – SINTRAJUFE/CE – recebeu representantes de sindicatos e associações de todo o país e suas bases, além dos coordenadores da Federação Nacional dos Trabalhadores do Judiciário e Ministério Público da União (Fenajufe), no Encontro Nacional dos Técnicos do Poder Judiciário Federal: “Cenários, Perspectivas e Estratégias em Defesa do Cargo”, no Seara Praia Hotel, em Fortaleza. O evento foi realizado com o apoio do Sindicato dos Servidores da Justiça Eleitoral do Ceará (Sinje), do Sindicato dos Servidores da Sétima Região da Justiça do Trabalho (Sindissétima) e da Associação Nacional dos Técnicos do Poder Judiciário da União (Anatecjus).

Mais de 74 pessoas estiveram presentes no encontro, entre elas servidores e representantes de mais de 17 entidades: Sintrajufe/CE, Sintrae/MG, Sinje, Sisejufe/RJ, Sindissétima, Agepoljus, Sindjus/DF, Sindjufe/TO, Sintrajuf/PE, Anatecjus, Sintraju/RN, Sinjufe/GO, Sindjmf/SE, Sindijufe/BA, Sinpojufe/ES, Sinteam e Sintrajufe/RS. Além disso, o evento contou com a presença dos 7 coordenadores da Fenajufe, José Costa Neto, Engelberg Belém, Roniel Andrade, Epitácio Júnior, Ronaldo das Virgens, Ranulfo de Farias e Charles Bruxel.

Os trabalhos tiveram início por volta das 10h com a apresentação dos corais Vozes da Justiça e Sétima Voz, que recepcionaram os presentes ao som do Hino Nacional Brasileiro, “Banzo Maracatu” e “Pagode Russo”, com a regência de Jacqueline Sidney.

Corais Vozes da Justiça e Sétima Voz

A abertura dos painéis foi feita pelo anfitrião Engelberg Belém Pontes, diretor do Sintrajufe/CE, coordenador da Fenajufe e do evento, juntamente com o diretor executivo do Sintrajufe/CE, Ranulfo Farias; o coordenador-geral da Fenajufe e diretor do Sindjus/DF, José Costa Neto; o coordenador de políticas permanentes da Fenajufe e diretor do Sisejufe/RJ, Ronaldo das Virgens; o vice-presidente do Sindissétima, Francisco Adail Gomes; a presidente da Anatecjus, Arlete Alves; e a presidente do Sinje, Maria Eliete Maia.

Engelberg Belém durante abertura do encontro

“Este encontro não tem caráter deliberativo. Nele, iremos discutir temas de interesse da categoria e trabalhar nossa capacidade de dialogar e, principalmente, de lutar unidos para conquistar o nosso ‘NS'”, ressaltou o diretor Engelberg Belém durante abertura.

PRIMEIRO PAINEL MARCA CRÍTICAS À FEDERAÇÃO E APELO POR MAIS TRANSPARÊNCIA 

Rodrigo Peixoto, diretor presidente do Movimento de Conscientização Sindical Liberta Brasil, deu início aos debates com a palestra “Estatísticas das Deliberações da Fenajufe Pró Técnico Judiciário – Gestão 2016/2019”. Rodrigo fez críticas e cobrou maior compromisso e organização por parte da federação. Segundo ele, a falta de transparência foi o que lhe motivou a criar o blog “Liberta Já!”, um canal que tem como objetivo divulgar as ações e os posicionamentos de todos os coordenadores para evitar especulações e manobras políticas contrárias aos interesses dos servidores.

Da esquerda para a direita, Fábio Sabóia (relator), Rodrigo Peixoto (palestrante) e Eliete Maia (presidente da mesa)

Rodrigo Peixoto também fez um histórico do pleito e destacou nomes que fizeram parte desde o início. “Temos que valorizar a história dessa luta, lembrar daqueles que participaram, de todos que lideraram. […] A razão da minha chegada à Fenajufe reside naqueles que começaram lá atrás, porque os ecos dessa luta me atingiram dentro do meu local de trabalho”, afirmou. “Por isso, precisamos identificar o problema, o porquê do ‘NS’ não evoluir, e sair daqui com algo concreto”, enfatizou.

Luís Amauri, palestrante do segundo painel

“A QUESTÃO DO TÉCNICO JUDICIÁRIO DIANTE DESSA AMEAÇA DE EXTINÇÃO DA JUSTIÇA DO TRABALHO É QUESTÃO DE SOBREVIVÊNCIA”, AFIRMA LUÍS AMAURI NO SEGUNDO PAINEL DO DIA

No segundo momento, para a palestra “‘NS’: Perspectivas no Novo Cenário”, foram chamados os palestrantes Luís Amauri, diretor do departamento de imprensa do Sisejufe/RJ e coordenador do Coletivo de Técnicos do Judiciário Federal (COTEC/RJ), e Ronaldo das Virgens, diretor do Sisejufe/RJ e coordenador da Fenajufe. Para comandar a mesa, foi convidado o presidente do Sindissétima, Charles Bruxel. Como debatedor e relator, foram convidados Adail Gomes e Euvaldo Ferreira Gomes, vice-presidente e diretor do Sindissétima, respectivamente.

Amauri apresentou as despesas das Justiças Federal, Eleitoral e Trabalhista, e relatando, ainda, o cenário de incertezas que vive a Justiça do Trabalho em meio às ameaças de extinção. “Estudos apontam que a Justiça do Trabalho não é cabide de emprego, como pode se pensar. Para reduzir despesas, o governo tomou diversas medidas, como, por exemplo, a redução de cartórios. Na Justiça do Trabalho tem sido mais acentuado, o que é preocupante”, afirmou. Para ele, o que antes era apenas uma ameaça externa, agora também se torna uma ameaça interna a partir de resoluções que colocam em risco a permanência dos servidores, tanto técnicos como analistas. “O movimento do ‘NS’ não é aumento de salário. A questão do técnico judiciário diante dessa ameaça de extinção da Justiça do Trabalho é questão de sobrevivência”, apontou o coordenador do COTEC/RJ.

Mesa do segundo painel do dia. Da esquerda para a direita, Adail Gomes (debatedor), Euvaldo Ferreira Gomes (relator), Charles Bruxel (presidente de mesa) e Ronaldo das Virgens (palestrante)

Para o palestrante Ronaldo das Virgens, apesar do terrível cenário geral, com as reformas trabalhista e da Previdência, o fim da estabilidade e o fim do concurso público, ainda há espaço favorável ao pleito do ‘NS’. “Existem muitos argumentos para justificar sua pertinência, mas vai precisar de diálogo, entendimento e trabalho”, completou.

Adail, debatedor da mesa, acrescentou a importância de se trabalhar efetivamente. “Cada um precisa sair do seu conforto e lutar pelos seus direitos. Embora não sejamos vistos pela categoria, estamos trabalhando por ela e pelo ‘NS'”, concluiu.

“TRABALHO DE FORMIGUINHA É AQUELE QUE FAZ DIFERENÇA”, APONTA HUDSON CAVALCANTE 

O terceiro painel contou com a presença dos palestrantes José Everson Nogueira Reis, diretor da Anatecjus e do Sinjufego; Hudson Cavalcante e Rosana dos Anjos, também diretores da Anatecjus. Como presidente da mesa, foi convidado Dalmário Filho, ex-diretor do Sintrajufe/CE e fundador do Coletivo Nacional dos Técnicos Judiciários e do MPU (CONTEC). Como debatedor e relator, foram convidados Epitácio Júnior, coordenador de organização política da Fenajufe, presidente da Assejus/DF e presidente do Colégio de Presidentes das Associações no Judiciário no Distrito Federal; e Jairo Bonfim, coordenador geral do Sindjufe/TO, respectivamente. O tema foi “ANATECJUS: Defesa do Cargo de Técnico Judiciário”.

Hudson retomou os debates pela tarde sugerindo a discussão de estratégias de implementação e destacou o trabalho de “formiguinha” como uma forma de fazer diferença. “Precisamos ressignificar perante a sociedade o papel que somos vistos”, afirmou o diretor.

Jairo Bonfim (relator), Epitácio Júnior (debatedor), José Everson (palestrante), Dalmário Filho (presidente de mesa), Rosana dos Anjos (palestrante) e Hudson Cavalcante (palestrante)

O último painel “Fortalecimento da Luta dos Técnicos Respeitando a Luta dos demais Cargos” contou com o palestrante Gilberto Oliveira, coordenador geral do Sindjuf/SE. .Para compôr a mesa, foi convidado para presidir o diretor executivo do Sintrajufe/CE, Ranulfo de Farias; e como debatedor e relatora, foram convidados Roniel Andrade, coordenador de Fenajufe, diretor do Sindjus/DF e presidente da Agepoljus, e Maria Aurileide Rocha, coordenadora geral do Sindjus/PB.

Roniel Andrade (debatedor), Ranulfo de Farias (presidente de mesa), Maria Aurileide (relatora) e Gilberto Oliveira (palestrante)

CARTA DE FORTALEZA

Engelberg Belém e Fábio Sabóia formaram a última mesa para encerramento e para a elaboração da carta de Fortaleza. Foram coletadas as principais sugestões dadas durante todo o encontro e colocadas em votação.

Votação das pautas específicas para a Carta de Fortaleza

Confira as pautas específicas aprovadas:

  1. Implementar a pauta estabelecida na Carta de Teresópolis /RJ, aprovada em plenária da Federação e ratificada no 10º Congrejufe.
  2. Promover ampla campanha em defesa do NS, a nível nacional, junto ao STF para o envio imediato de projeto de lei ao Congresso Nacional, com o seguinte tema: #stfencaminheopldonsaocongresso; #stfonselegal; #stfenvieonsaocongresso.
  3. Buscar o apoio parlamentar para envio do PL do NS ao Congresso Nacional pelo STF.
  4. Sugerir e fomentar a criação de núcleos dos técnicos em todos os sindicatos.
  5. Realizar o CONTEC no segundo semestre de 2019. (FENAJUFE)
  6. Lutar pela aprovação da PEC 2019/2012, em tramitação no Congresso Nacional, que trata da permissão para que os servidores públicos na carreira administrativa possam exercer o cargo de professor.
  7. Lutar pelo retorno dos técnicos judiciários à área judiciária.
  8. Dar ampla divulgação para a categoria do documento de conclusão dos trabalhos da comissão interdisciplinar criada em 2016 e/ou que os dirigentes da FENAJUFE que representaram a categoria e participaram da Comissão apresentem relatório de tudo o que foi debatido durante os trabalhos, com detalhamento do encaminhamento de cada pauta (FENAJUFE).
  9. Encaminhar o relatório do NS para a Direção Geral do STF levá-lo à apreciação do Colégio de Diretores Gerais dos Tribunais Superiores, TJDFT e STF.  
  10. Produzir bottons azuis e brancos do “NS JÁ”, que serão distribuídos aos servidores do Judiciário Federal para que possam usar no ambiente de trabalho, levando a importância do pleito dos técnicos, solicitando o uso pelos coordenadores da federação em reuniões, agendas e principalmente em visitas aos parlamentares.
  11. Defender o NS em face de quaisquer acusações de ilegalidade ou imoralidade ao pleito, adotando de imediato todas as medidas cabíveis, inclusive legais.
  12. Divulgar para a categoria as consultas virtuais e as atas das reuniões da Diretoria da FENAJUFE.

Decidiu-se, ainda, no Encontro:

  1. Realizar o próximo Encontro Nacional dos Técnicos no Espírito Santo, no primeiro semestre de 2020, com a organização do SINPOJUFES e do SINDJUS/DF.
  2. Fortalecer a ANATECJUS como instrumento de luta e defesa da valorização do cargo de técnico, juntamente com a participação das entidades sindicais.

CLIQUE AQUI PARA LER A CARTA NA ÍNTEGRA

ENCERRAMENTO

O fim do evento foi marcado pelo show do humorista cearense Lailtinho Brega, também técnico judiciário, e pelas palavras do diretor do Sintrajufe/CE e coordenador do evento, Engelberg Belém, que encerrou agradecendo a participação da categoria. “É muito importante esse apoio e a presença de todos vocês, colegas, sindicatos, associações, federação. Nossa luta continua. Apenas com a nossa união é possível conquistar a valorização do cargo de técnico e avançar com o pleito do ‘NS'”, concluiu.

GALERIA DE FOTOS

ENCONTRO NACIONAL DOS TÉCNICOS DO PODER JUDICIÁRIO FEDERAL EM FORTALEZA